Conheça esses números antes de investir numa franquia

Antes de investir numa franquia, preste atenção nesses números para não cair numa enrascada

As perguntas que o franqueado deve fazer sobre os números de uma franquia.

Escrito por Marcus Rizzo, especialista em franquias

Quem está interessado em abrir uma franquia vai olhar os números em dois diferentes momentos. O primeiro é logo no início de sua busca, com aquelas informações básicas que você encontra em guias e sites especializados, ou mesmo nos sites das franquias, num documento chamado de Ficha Técnica.

Veja alguns números para ficar atento neste primeiro momento:

1. Data de fundação do negócio x Início da operação por franquia

Quanto maior o distanciamento melhor, indicando que o franqueador experimentou o negócio antes de iniciar a expansão com franquias.

2. Investimento x Retorno x Faturamento

Esta é uma informação preliminar, que deve ser detalhada junto ao franqueador. Porém, em muitos negócios é possível identificar algumas incoerências, como: investimento baixo com retorno rápido (que necessita de faturamento alto e constante) associado a franqueadores inexperientes (falta de unidades próprias e pouco tempo entre fundação e início da franquia).

Por exemplo: a oferta de um quiosque que vende churros com um investimento inicial de R$ 40 mil e com faturamento de R$ 45 mil por mês terá um retorno muito rápido.

Mas vamos estimar que cada churro seja vendido por R$ 6,00. Isso significa que serão vendidos 7.500 churros por mês, 250 por dia e, 25 churros por hora, todos os dias. Será possível?

3. Unidades franqueadas x Unidades próprias

É importante que a marca tenha franquias já em operação, para que você não seja o primeiro a experimentar. No entanto, é fundamental que a marca tenha unidades próprias.

Isso significa que o franqueador também acredita no negócio que está vendendo e, principalmente, que está constantemente testando e evoluindo a operação.

4. Taxa de franquia

Boas franquias não abrem mão desta taxa e nem mesmo facilitam o pagamento. Esta taxa remunera o franqueador pelo treinamento dado ao franqueado (portanto exija qualidade), por projetos de instalações e até mesmo pela negociação de pontos comerciais cuidadosamente avaliados.

5. Taxa de royalties e de propaganda

Sempre muito cuidado com aquelas franquias que não cobram taxas, os valores certamente estarão escondidos, pois, como se diz “não há almoço grátis”.

Também merecem especial cuidado as franquias que cobram as taxas sobre compras. Se possível busque franquias em que as taxas são cobradas sobre as suas vendas.

Um franqueador que cobra sobre compras estará sempre ao lado do seu estoque – quanto mais você compra, mais ele ganha. Um franqueador que cobra sobre suas vendas estará ao seu lado para que você venda mais.

Muito bem, vamos para o momento seguinte, quando você estará junto ao franqueador fazendo suas avaliações iniciais. Além de fazer perguntas, é muito importante anotar tudo detalhadamente.

Veja alguns números para ficar atento nesse segundo momento, e as perguntas que podem ajudá-lo:

• Qual o capital de giro (reservas para serem utilizadas enquanto as despesas serão maiores que as receitas) necessário além do investimento inicial?

• Quais as estimativas dos custos ocupacionais como aluguel, condomínios e taxas?

• Terei que pagar Luvas de Ponto? Quanto? (Luvas de Ponto é aquele pedágio que você paga para um determinado ponto)
Acredite: é uma antecipação de aluguel, portanto é despesa inicial. E se estiver pensando em comprar para vender o ponto e ganhar lá na frente, não entre no negócio. Decida se você quer entrar na compra e venda de pontos ou investir e operar uma franquia.

• Quais serão meus custos operacionais e quanto eles representam sobre o faturamento?

• Quais as despesas com funcionários e os encargos?

• Qual faturamento mínimo necessário para fazer frente aos custos e às despesas?

• Qual a incidência de impostos sobre o faturamento esperado?

• Que acordos você possui com fornecedores? Tem algum ganho do franqueador embutido?

Ao final peça a COF – Circular de Oferta de Franquias, que é um documento público com detalhamento do negócio. O franqueador é, por lei, obrigado a lhe entregar antes de assinar qualquer documento ou mesmo ter pago qualquer taxa.

Leia a COF cuidadosamente e pegue suas anotações para checar se as informações fornecidas pelo franqueador estão coerentes com aquelas do documento.

Para franqueadores que operam unidades próprias, estes números estão na ponta da língua e eles lhe responderão com a assertividade de quem realmente sabe.

Você também deve aferir todos estes números com franqueados (no mínimo quatro, se possível) que estão operando o negócio. Verifique se a realidade deles confere com todos os números que o franqueador lhe forneceu.

Lembre-se que, pela nossa lei de franquias, um franqueador pode lhe oferecer tudo, menos mentir! A lei é dura com mentirosos.

Marcus Rizzo é sócio- fundador da consultoria Rizzo Franchise.

Envie suas dúvidas sobre franquias para pme-exame@abril.com.br.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s