Dá certo abrir uma empresa com o cônjuge?

Por que alguns empreendimentos familiares sucumbem, enquanto outros conseguem suplantar mesmo as transições mais críticas e se manter fortes?

Dá certo abrir uma empresa com o cônjuge?
Escrito por Herbert Steinberg, especialista em empresas familiares

Dá certo abrir uma empresa com o cônjuge? Sim e não. É importante lembrar que famílias empresárias comandam a economia global.

Estimativas apontam que 80% das empresas do mundo são familiares. No Brasil não é diferente. Cerca de 90% das empresas são formadas por membros de uma mesma família. No entanto, de cada 100 organizações desse modelo, apenas 30 chegam à segunda geração e menos de 10% delas sobreviverão até a quarta.

Qual é a chave do sucesso? Por que alguns empreendimentos sucumbem ou perdem o vigor, enquanto outros conseguem suplantar mesmo as transições mais críticas e se manter fortes em seus respectivos mercados?

Não há como negar que os desafios que as empresas familiares enfrentam são enormes. Todas elas têm um DNA próprio, no qual a importância dos relacionamentos e dos vínculos estabelecidos ao longo do tempo permeiam família e negócio.

A visão correta da organização, em termos de produto e de mercado, permite que o casal à frente da empresa obtenha sucesso no empreendimento. Considere-se também que cada casal apresenta características próprias, o que os diferenciam.

Dentre outras questões, a gestão e o controle por um casal vinculado societariamente tornam a empresa objeto peculiar no meio corporativo. O que ocorre é um especial processo de tomada de decisão, no qual os argumentos lógicos e os dados concretos são levados em conta, e os laços afetivos também exercem influência.

Inserir a cultura profissional em uma empresa familiar é sempre um desafio cujas dimensão e consequências dependem de como o assunto é trabalhado e absorvido.

O casal deve se empenhar no processo de profissionalização, o que significa adotar métodos e processos profissionais e de mercado, não caindo na tentação de uma abordagem doméstica ao lidar com o negócio.

É muito importante criar caminhos para tornar sustentável o modelo de negócios, capacitar-se para inovar, atrair e reter talentos, dando-lhes espaço para tomada de decisão.

A relação familiar sempre alcança a empresa. Seus integrantes compartilham espaço e dificuldades. Sofrem pressões financeiras, comemoram vitórias mercadológicas e, da mesma forma, os maus resultados.

Sobrevivendo a tudo isto… pode dar certo!

Herbert Steinberg é sócio da consultoria Mesa Corporate Governance.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s