Após morte do filho, piloto cria Associação Abravagex para exigir mais segurança do novo Código Aeronáutico

SÃO PAULO, 23 de agosto de 2016 /PRNewswire/ -- O dia 4 de janeiro de 2015 ficará marcado para sempre na vida do médico e aviador Augusto Fonseca da Costa. Foi nesse dia que seu filho Vitor Augusto Gunha da Costa, de 19 anos, perdeu a vida em um acidente aéreo na cidade de Toledo, no Paraná. A investigação apontou que Vitor foi vítima de um erro de ordem mecânica causado pela negligência do fabricante da aeronave e da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), órgão federal que não fiscaliza a aviação experimental. Augusto fundou então a Abravagex (Associação Brasileira das Vítimas de Aviação Geral e Experimental) e começou sua luta para tornar mais rígidas as normas de segurança aérea no Brasil.

SÃO PAULO, 23 de agosto de 2016 /PRNewswire/ — O dia 4 de janeiro de 2015 ficará marcado para sempre na vida do médico e aviador Augusto Fonseca da Costa. Foi nesse dia que seu filho Vitor Augusto Gunha da Costa, de 19 anos, perdeu a vida em um acidente aéreo na cidade de Toledo, no Paraná. A investigação apontou que Vitor foi vítima de um erro de ordem mecânica causado pela negligência do fabricante da aeronave e da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), órgão federal que não fiscaliza a aviação experimental. Augusto fundou então a Abravagex (Associação Brasileira das Vítimas de Aviação Geral e Experimental) e começou sua luta para tornar mais rígidas as normas de segurança aérea no Brasil.

Legenda da Foto: Vitor Augusto Gunha da Costa morreu vítima de erro mecânico após queda do avião modelo Super Petrel LS

Crédito da Foto: Abravagex

No último dia 2 de agosto, Augusto apresentou proposta no Senado na primeira audiência pública que discute o PLS 258/2016, projeto que institui o novo Código Brasileiro de Aeronáutica. “Sou piloto há 43 anos e não podemos permitir que as agências reguladoras se eximam de suas responsabilidades perante o consumidor apenas em prol da lucratividade da indústria da aviação experimental”, afirma o presidente da Abravagex, que também é membro do Conselho Consultivo da ANAC.

Segundo o relatório A-003/2015 do CENIPA (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) que apurou o acidente que matou Vitor, a causa do problema com a aeronave modelo Super Petrel LS, fabricada pela empresa Edra/Scoda Aeronáutica, foi uma falha na mangueira que bloqueou a passagem do combustível para o motor. A Edra/Scoda havia descumprido um recall do fabricante do motor que ordenava a troca imediata da mangueira antes do próximo voo ‘sob o risco de morte’. No manual, porém, a empresa declarou que havia realizado a troca – informação que o CENIPA comprovou ser falsa.

Em março de 2016, outro acidente com avião experimental matou o ex-presidente da Vale, Roger Agnelli, e mais seis pessoas, após a queda da aeronave logo após a decolagem do Campo de Marte, em São Paulo. Desde 2006, a frota de aviões experimentais aumentou 71%, contra 49% de aviões certificados. Das 24.582 aeronaves registradas no país, 6.244 são experimentais (cerca de 25% da frota) e há 20 empresas fabricantes.

Mais informações:
Felipe Machadofelipe.machado@portavoz.com.br – (11) 3871-3666

 

FONTE Abravagex

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s