7 conselhos financeiros para quem vai se divorciar

É provável que você enfrente algumas mudanças na vida que envolvam dinheiro: queda na renda familiar, mudança de casa e divisão de bens

São Paulo – A sua felicidade está, sem dúvida, acima de qualquer perda de dinheiro. Mas não dá para ignorar que passar por um divórcio tem um preço não só emocional, mas também financeiro. É provável que você enfrente algumas mudanças na vida que envolvam dinheiro: queda na renda familiar, mudança de casa e divisão de bens, além do custo do próprio divórcio.

“Mas não deixe de se separar de jeito nenhum por causa de dinheiro. Não vale a pena”, aconselha a planejadora financeira Viviane Ferreira. Com as dicas a seguir, esse processo todo pode ser menos doloroso para você e para o seu bolso. Confira sete conselhos financeiros se você estiver prestes a pôr um fim no casamento:

1. Saiba que seu estilo de vida vai mudar – e se prepare para isso

Os mesmos salários de duas pessoas que sustentavam só uma casa agora passarão a manter duas casas – e duas vidas. É provável que você seja obrigado a reduzir seu padrão de vida, pelo menos nos primeiros meses após a separação, até se reestabilizar. Por isso, Viviane aconselha fazer de tudo para reduzir ao máximo os custos fixos nessa fase.

“É uma nova vida. Por mais que em um primeiro momento pareça um furacão, é preciso ter tranquilidade para enxergar que é uma fase temporária”, diz. É preciso refazer as contas de ganhos e gastos, com a ajuda de aplicativos ou de planilhas. Se achar melhor, recorra a um consultor financeiro.

2. Quem ganha mais pode pagar mais pelos filhos

Nem sempre os gastos com os filhos devem ser divididos igualitariamente, depende da condição de cada um. É bem comum e aceito pela Justiça que quem tem mais renda arque com mais despesas.

“É importante que as pessoas tenham essa clareza e que quem ganha menos possa se posicionar para não assumir gastos que depois não consegue pagar”, orienta Viviane.

Além disso, ter a guarda compartilhada significa dividir igualmente todas as responsabilidades das decisões que envolvam os filhos, inclusive financeiras, mas não necessariamente o tempo da criança com cada um.

3. Conheça todas as movimentações financeiras

Antes de se separar, é essencial saber quanto dinheiro o casal tem investido e onde está esse dinheiro. Também é importante participar de todas as decisões financeiras importantes.

“Na separação, quem não cuidava tanto dos investimentos vai precisar ficar a par de tudo. Não deixe que o ex-cônjuge tome conta das suas finanças, assuma a responsabilidade para você”, afirma Viviane.

4. No início, prefira alugar a comprar um imóvel

A decisão sobre quem vai ficar morando na casa do casal e quem vai se mudar depende de uma negociação entre os dois, ou da divisão de bens estabelecida pelo juiz. Também pode acontecer de os dois saírem do imóvel, ele ser vendido e o dinheiro ser partilhado.

No entanto, no momento é preferível manter o imóvel, pois pode ser dificil vendê-lo por conta das incertezas quanto ao futuro da economia. “Não dá para se atirar em qualquer oferta”, aconselha o consultor financeiro Alfredo Meneghetti, do Estúdio de Finanças da PUC-RS.

Um fica na casa, portanto, e o outro sai. O conselho para quem sai é alugar um imóvel em um primeiro momento, em vez de comprar.

Essa é uma fase de incertezas na vida, e comprar um imóvel, por ser um bem de alto valor que você terá por boa parte da vida, exige cabeça fria e estabilidade emocional. “Não é momento para tomar decisões correndo”, diz Viviane. Os preços dos aluguéis estão em queda, o que é mais um ponto a favor dessa alternativa.

Também podem acontecer acordos de, por exemplo, um ficar na casa do casal por um tempo, e depois ela ser vendida e o dinheiro ser dividido.

5. Se a separação não for muito amigável, é melhor ter dois advogados

Pelo menos um advogado para os dois é imprescindível para fazer o divórcio, seja ela em cartório ou por meio da Justiça. É ele que vai encaminhar todos os trâmites legais e orientar a separação de bens. Lembre-se de que você terá este custo com os serviços do profissional.

Mesmo assim, a advogada Mariana Carraro Trevisioli, especialista em direito de família do escritório Trevisioli Advogados Associados, aconselha que cada um tenha o seu advogado.

“Se no futuro o ex-casal discordar por algum motivo, o advogado dos dois não pode representar nem um, nem outro. A relação pode ser boa hoje, mas amanhã não se sabe”, aconselha Mariana.

6. Não importa a renda de cada um, os bens devem ser divididos igualmente

Toda a vida do casal foi construída pelos dois igualmente, mesmo que um tenha uma renda maior do que a do outro. “Ambos só conquistaram o que têm porque estavam juntos, não importa se um não trabalhava ou se o outro ganhava mais”, esclarece Viviane.

Por isso, se não houve um pacto pré-nupcial anterior que estabeleceu as regras do que aconteceria com os bens em caso de separação, a lei é clara: todos os bens adquiridos após o casamento devem ser divididos igualmente.

Além dos bens, Meneghetti lembra que também serão divididos igualmente todos os investimentos e as dívidas contraídas juntos.

É comum um dos dois ocultar um patrimônio na hora de partilhar os bens para fugir da divisão igualitária, como observa Mariana. No entanto, a advogada faz a ressalva de que, ao deixar de informar a existência de um bem, além das chances de sofrer uma ação indenizatória no futuro, o ex-cônjuge pode ser acusado de cometer um crime.

“Em direito de família, falamos que quem sai na frente sai ganhando. Se você tem dúvida, peça imediatamente as provas necessárias ao advogado”, orienta Mariana. O juiz pode obrigar o banco a mostrar todas as movimentações financeiras do ex-cônjuge, por exemplo.

7. Se prepare para os custos do divórcio, no cartório ou na Justiça

O que vai determinar se o divórcio vai ser feito no cartório ou por meio da Justiça é o consenso do ex-casal e a existência de filhos, explica Mariana.

Quem tem filhos menores de 18 anos ou incapazes precisa abrir um processo na Justiça para se divorciar. Já se não houver filhos ou se eles forem maiores de idade, o divórcio pode ser feito em cartório, por escritura pública, desde que haja consenso entre os dois.

“Emocionalmente, é mais barato se divorciar no cartário porque é mais rápido. Financeiramente, o preço  é parecido. Se gasta menos com uma ação judicial do que com o cartório, mas se paga mais para o adovago, então os custos se equivalem”.

Os divórcios em que não há patrimônio para dividir, porque o casal não tem ou porque casou com separação total de bens, são mais baratos. Quando é preciso dividir os bens, há gastos com impostos, registros de imóveis e custos com a Justiça ou com o cartório.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s