Selic fica nos 14,25%; veja quanto R$ 5 mil rendem hoje

Copom mantém Selic nos 14,25% ao ano; veja quanto seu dinheiro rende na poupança e em outros investimentos de renda fixa no atual patamar da taxa

São Paulo – A taxa Selic será mantida nos 14,25% ao ano, conforme anunciou o Comitê de Política Monetária (Copom) na noite desta quarta-feira (08). Com a manutenção dos juros básicos, a poupança continua rendendo menos que outras aplicações de renda fixa, que são beneficiadas pelo alto patamar da taxa.

Analistas de mercado já esperavam que a taxa ficasse nos 14,25%, conforme apontou o Boletim Focus do Banco Central, que retrata as expectativas de economistas e instituições financeiras. De acordo com as projeções, contudo, a Selic deve encerrar 2016 aos 13,25% ao ano.

Esta é a sexta vez consecutiva que o Copom anuncia a manutenção dos juros, que subiram pela última vez em julho de 2015, quando a taxa básica foi elevada de 13,75% para os atuais 14,25% ao ano.

Entre as aplicações conservadoras que se aproveitam do alto patamar da Selic podem ser citados os Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) com taxas pós-fixadas, os fundos DI e o Tesouro Selic, título público negociado pelo Tesouro Direto que paga ao investidor a variação da taxa básica. Os três investimentos têm seu rendimento atrelado à taxa Selic ou à taxa DI, que segue comportamento semelhante ao da taxa Selic.

Já o retorno da caderneta só fica atrelado à taxa Selic quando ela é menor ou igual a 8,5% ao ano. Pela regra atual, a caderneta rende 70% da taxa Selic mais a Taxa Referencial (TR) quando a taxa básica é inferior ou igual a 8,5% ao ano e quando a taxa é maior do que 8,5%, o rendimento da poupança é de 0,5% ao mês mais a TR.

Para mostrar como a poupança está desvantajosa em relação a outros investimentos que acompanham a taxa Selic, EXAME.com simulou quanto renderiam 5 mil reais na caderneta, nos CDBs pós-fixados, fundos DI e no Tesouro Selic. Veja na tabela abaixo os resultados:

Período Poupança* CDB 90% do CDI Fundo DI com taxa de 1% a.a. Tesouro Selic
6 meses R$ 5.204,40 R$ 5.247,68 R$ 5.255,47 R$ 5.269,17
12 meses R$ 5.410,96 R$ 5.417,15 R$ 5.546,37 R$ 5.573,84
18 meses R$ 5.638,60 R$ 5.813,50 R$ 5.850,10 R$ 5.890,05
24 meses R$ 5.869,10 R$ 6.152,41 R$ 6.211,73 R$ 6.264,72
30 meses R$ 6.109,03 R$ 6.486,74 R$ 6.572,11 R$ 6.635,83

(*) Para o cálculo da poupança, foi considerada uma Taxa Referencial (TR) de 0,17% ao mês, que foi a TR mensal verificada a partir da TR média dos últimos 12 meses (de 2,12%), de acordo com a Calculadora do Cidado Banco Central.

(**) Rendimentos válidos para investimentos em corretoras que não cobram taxas de administração para aplicações no Tesouro Direto.

Sobre os fundos DI

Os fundos DI eram obrigados a investir 95% da carteira em títulos públicos atrelados à Selic, de acordo com a antiga classificação da Anbima, entidade que regula o mercado de fundos. Com a nova classificação, criada pela Anbima em 2015, não existe mais uma classe de fundos DI, ainda que os bancos continuem a usar essa nomenclatura.

Segundo a Anbima, os fundos DI se desmembraram em duas categorias principais: os fundos de renda fixa duração média soberano e os fundos de renda fixa duração baixa grau de investimento. 

De todo modo, como os fundos que acompanham os juros continuam a ser chamados de fundos DI no mercado, o levantamento também manteve a nomenclatura. Ainda assim, é importante que o investidor consulte a estratégia do fundo DI para checar se, de fato, trata-se de um fundo que acompanha a flutuação da taxa de juros. Confira mais detalhes sobre as novas classificações de fundos.

Resultados da comparação

Os valores da tabela já são apresentados com o desconto do Imposto de Renda (IR), que é cobrado em todas as aplicações, à exceção da poupança, que é isenta de IR.

Ainda que a poupança seja livre de imposto, a tabela mostra que as rentabilidades dos CDBs, fundos DI e Tesouro Selic são maiores do que a da caderneta em qualquer prazo.

De acordo com a tabela regressiva do IR, aplicações feitas em até 180 dias são tributadas à alíquita de 22,5%; de 181 dias a 360 dias o imposto cai para 20%; de 361 a 720 dias vai para 17,5%; e acima de 721 dias é aplicada a menor alíquota, de 15%. 

Para facilitar a simulação, foi considerara uma taxa DI igual à taxa Selic. Ambas são usadas como referência para o rendimento das aplicações de renda fixa e seguem comportamento parecido. Nos últimos 12 meses, por exemplo, a taxa DI acumulada foi de 13,82%, enquanto a Selic acumulada no mesmo período foi de 13,89%.

Por causa dessa leve diferença entre as taxas, os rendimentos de aplicações em CDBs e fundos DI, que acompanham a taxa DI – também chamada apenas de CDI -, podem ser um pouco menores do que os apontados na simulação, que utiliza como parâmetro a taxa Selic.

Já a rentabilidade do Tesouro Selic, título negociado no Tesouro Direto, é a mesma apontada na tabela, pois sua remuneração varia exatamente conforme a Selic.

As condições para bater a poupança

A simulação considerou taxas de administração e de remuneração normalmente praticadas no mercado, mas vale ressaltar que se as taxas forem superiores às usadas na tabela e as remunerações forem menores, alguns investimentos podem perder da poupança, ainda que com o alto patamar da Selic essa hipótese seja menos provável.

Para ser mais rentável do que a poupança, independentemente do prazo de investimento, os CDBs devem pagar, ao menos, 77% da taxa DI. Caso a instituição financeira ofereça uma remuneração menor, pode valer mais a pena deixar o dinheiro aplicado na poupança (calcule o rendimento da caderneta).

Fundos DI que tenham rendimento de 100% do CDI são mais vantajosos do que a poupança se as taxas de administração cobradas pela instituição financeira não passarem de 3,0% ao ano. Ainda que essa taxa já seja considerada alta, existem fundos que cobram taxas ainda maiores e conseguem render menos do que a poupança.

Já o Tesouro Selic só perderia da poupança se o valor da taxa de administração cobrada fosse de 2,7% ao ano ou maior. No entanto, o porcentual máximo que pode ser cobrado por corretoras na compra de títulos públicos pelo Tesouro Direto é de 2% ao ano. 

Atualmente, a maioria das instituições financeiras cobra até 0,3% pelo investimento. Algumas até isentam investidores da taxa (veja o ranking das taxas cobradas para a compra e venda de títulos).

Além da taxa de administração, que varia conforme a corretora escolhida, vale lembrar o investidor paga uma taxa fixa de 0,3% ao ano para custódia dos títulos na BM&FBovespa.

Veja, no vídeo a seguir, opções de investimentos conservadoras para obter retornos superiores aos da pupança:

http://videos.abril.com.br/exame/id/5cde47e6d2cd6e640d45b94f7233d70c?autoplay=false&startoutput=720p

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s