BIS publica guia para bancos se protegerem de ciberataques

De acordo com o organismo, esse é o primeiro guia estipulado internacionalmente sobre segurança na internet para a indústria financeira

Frankfurt – O Banco de Compensações Internacionais (BIS) publicou nesta quarta-feira um relatório que deve servir de guia para que as entidades possam antecipar ciberataques e responder de forma rápida e eficaz caso vivam um.

De acordo com o organismo, esse é o primeiro guia estipulado internacionalmente sobre segurança na internet para a indústria financeira e foi elaborado porque os ataques contra o setor são cada vez mais frequentes e mais sofisticados.

O relatório do BIS – o banco dos bancos centrais e com sede na cidade suíça de Basileia – leva o título “Guidance on cyber resilience for financial market infrastructures” e foi preparado pelo Comitê de Pagamentos e Infraestruturas de Mercado (CPMI, sigla em inglês) e pelo Conselho de Organização Internacional de Comissões de Segurança (IOSCO, sigla em inglês).

“Este é um relatório de referência para a indústria financeira”, disse o presidente do CPMI, o francês Benoit Coeuré, membro do comitê executivo do Banco Central Europeu (BCE).

Ele considerou que a resistência a esta situação se tornou uma prioridade para a indústria financeira. O presidente do CPMI também pediu aos bancos e outras instituições financeiras a implantar as recomendações do texto, que fornece uma série de diretrizes estipuladas internacionalmente para a supervisão dos bancos quanto a riscos cibernéticos.

Já o presidente do IOSCI, Ashley Alder, disse que “a implementação do guia representa um passo importante para fortalecer a resistência cibernética das instituições financeiras monetárias e do ecossistema no qual operam”.

Caso os bancos não administrem adequadamente a segurança de suas operações, podem sofrer impactos financeiros, como deslocamentos de liquidez e perdas de créditos. Também podem se transformar no principal canal pelo qual esses impactos se transmitem pelos mercados financeiros nacionais e internacionais.

O relatório destaca vários conceitos para garantir a resistência do sistema financeiro aos ataques cibernéticos. O assunto deve despertar a atenção dos comitês executivos para desenvolver a estratégia adequada.

É primordial que os bancos sejam capazes de retomar operações rapidamente e de forma segura depois de um ataque. Além disso, terão que realizar testes rigorosos e internalizar uma cultura de conscientização dos riscos cibernéticos. EFE

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s