Cérebro leva um 1/4 de segundo para ver se alguém é inseguro

Novo estudo mostra que, em menos de meio segundo, conseguimos determinar como a outra pessoa está se sentindo (e escolher se vamos ou não acreditar nela)

São Paulo – Em Star Wars, os jedis usam a Força para convencer qualquer pessoa a qualquer coisa.

Se você acha essa habilidade incrível, saiba que, para pesquisadores da Universidade de McGill, no Canadá, não há nada de fantasioso nisso: o truque jedi pode ser feito aqui mesmo, na nossa galáxia – basta colocar um pouco de confiança na voz.

Em um estudo recente, os cientistas perceberam que o cérebro reconhece, em menos de meio segundo, se o interlocutor está sendo confiante ou não – e, a partir daí, escolhe automaticamente acreditar ou não no que a outra pessoa diz. 

A pesquisa teve duas etapas. Primeiro, atores gravaram – em inglês – uma mesma frase quatro vezes, com entonações diferentes que criavam quatro “níveis de confiança” em cada gravação: nível neutro, não confiante, quase confiante e confiante.

Depois disso, um grupo de 30 que tinha o inglês como língua materna ouviu as frases enquanto passava por um eletroencefalograma – processo que analisa a atividade cerebral a partir das correntes elétricas. 

Ao observar os resultados, os pesquisadores perceberam que não demora nem meio segundo para dizer se uma pessoa está ou não sendo confiante: 0,2 segundo depois que qualquer uma das frases começava, todos os participantes tiveram um pico de atividade cerebral – é aí que, de acordo com a leitura dos cientistas, o cérebro julga o que está sendo dito como “confiante” ou “não confiante”. 

Mas a seleção do cérebro não para por aí. Se a frase é julgada pelo cérebro como confiável, ela ainda passa por mais algumas seleções antes de ser entendida como verdade.

Os pesquisadores perceberam isso porque, nas gravações de nível confiante, outro pico aconteceu no momento 0,3 : o cérebro decide prestar mais atenção nas palavras que julgou “confiáveis”.

E aí, em 0,6 segundo, um último pico se manifestou, dessa vez para analisar com mais detalhes e decidir se a frase é quase confiante ou confiante de fato. 

O interessante é que, quando a voz é julgada como pouco confiante no primeiro pico, a atividade cerebral passa a ser muito pequena, se comparada à que acontece enquanto a pessoa ouve frases de pessoas confiantes.

É que o cérebro simplesmente para de prestar tanta atenção nas afirmações inseguras. Na visão dos pesquisadores, foi por isso que a Rey demorou tanto para conseguir que o guarda libertasse, em O despertar da Força:

Rey

“Você vai me soltar e deixar a porta aberta” – só deu certo quando a voz saiu segura

A partir de toda essa análise, os cientistas conseguiram compreender qual a melhor voz para bancar o jedi: o menos aguda possível e com volume médio – suficientemente alta para ser compreendida sem que a outra pessoa precise se esforçar, mas baixa o suficiente para se assemelhar à voz do seu interlocutor.

A fala também deve rápida, mas não tão rápida que te faça tropeçar nas palavras, que devem sair fluidas e sem gaguejar.

Ah, e a respiração precisa estar tranquila, e não ofegante – porque ofegar só mostra que você está nervoso e, portanto, inseguro demais para manipular a mente das pessoas com a Força. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s