O que Donald Trump acredita sobre ciência

Para começar: o candidato à presidência dos EUA já disse várias vezes que não acredita no aquecimento global

Você já conhece Donald Trump, o candidato republicano, barulhento e polêmico à presidência dos EUA. Celebridade da televisão semelhante ao nosso Roberto Justus, Trump já deu shows de intolerância religiosa, machismo e racismo – mas seus ataques à ciência não ficam atrás.

Aqui vai uma lista das “verdades científicas” segundo o candidato:

1. A mudança climática é uma mentira criada pela China

É isso aí: Trump já disse várias vezes que o aquecimento global não passa de um mito. Muito antes de começar a sua campanha presidencial, o candidato afirmou, no Twitter, que a mudança climática é uma “lenda inventada pelos chineses para detonar os EUA”:

Criticado, ele disse à NBC que era só uma piada – mas continuou tuitando a mesma coisa:

Em janeiro, Trump deu uma entrevista à Fox News, na qual afirmou que os chineses “não estão nem aí” para o aquecimento global, e que eles não pretendem diminuir suas emissões de carbono.

Nas palavras do republicano, a China criou o “boato” da mudança climática para enfraquecer a produção EUA – que ainda depende muito de combustíveis fósseis – e, assim, se tornar o país mais poderoso de todos.

De fato, a China é o segundo maior emissor de CO2 do mundo – só fica atrás dos EUA -, mas recentemente assinou o Acordo de Paris, uma resolução para minimizar o impacto causado pelos seres humanos no meio ambiente – particularmente as emissões de carbono.

Isso sem falar que os dados mais preocupantes sobre o aquecimento global vêm da própria NASA, que é uma agência americana.

2. Os problemas ambientais não são tão graves 

Além da questão climática, Trump não parece se importar muito com os problemas ambientais – de fato, ele sequer sabe quais as instituições do governo que lidam com a questão.

Em entrevista à Fox News, ele afirmou que se precisasse cortar algum departamento do governo, o primeiro seria o “Departamento do Meio Ambiente”, o que seria horrível se não fosse cômico: esse departamento não existe.

O candidato provavelmente queria dizer “Environmental Protection Agency (EPA)”, responsável pela preservação ambiental e pela qualidade de vida no país.

Fora isso, Trump também pretende reabrir o oleoduto Keystone XL, que levava o petróleo do Canadá até o sul dos EUA até ser fechado por Obama em novembro de 2015, justamente por causa do impacto ambiental. 

3. Vacinas causam autismo

Vacina dá autismo? A gente já explicou que não – essa lenda surgiu porque um médico chamado Andrew Wakefield publicou um estudo sem nenhum embasamento científico, “comprovando” que a vacina da tríplice viral tinha ligação com o autismo.

Mas Trump insiste que sim. Em um debate em setembro do ano passado, o candidato disse: “Outro dia, a filha linda de empregados meus foi tomar vacina e voltou para casa com febre, ficou muito doente e agora é autista”.

De novo: essa história não passa de uma lenda, e um candidato à presidência afirmá-la pode ser muito perigoso, já que não se vacinar pode contribuir para o retorno de epidemias como a do sarampo, que rolou no ano passado nos EUA.

4. A exploração espacial não é importante

Trump já disse que não acha a exploração espacial tão importante assim. Em novembro do ano passado, um menino de 10 anos perguntou o que o candidato achava da NASA, e recebeu a resposta:

“O espaço é incrível, mas agora, nós temos problemas maiores. Você entende isso? Precisamos consertar as coisas por aqui. Não temos dinheiro”.

A NASA, no entanto, é uma das agências mais lucrativas dos EUA – US$ 10 a cada US$ 1 investido, o que ajuda a movimentar a economia nacional.

Fora que, atualmente, o incentivo federal à agência é de apenas 0,4% do orçamento total do governo – enquanto o Departamento de Defesa usa 12,6%, o suficiente para pagar por 29 NASAs.

5. Dormir é superestimado

O candidato já disse que detesta dormir: “Eu gosto de dormir umas três, quatro horas, para mim é o suficiente”. Muitas pesquisas – que a SUPER já mostrou – já mostraram a ligação entre mais horas de sono e um pensamento mais racional, a um maior controle emocional e a uma memória melhor.

Só para dar um exemplo, um estudo da Universidade de New South Wales, na Austrália, mostra que se você ficar 18h sem dormir, já começa a sentir os efeitos negativos – falta de atenção, perda de memória e irritação. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s