Poluição poderia dobrar quantidade de mortes prematuras em 2050, diz estudo

Redução dos incêndios na Amazônia pôde evitar entre 400 e 1.700 mortes por ano

A mortalidade prematura pela contaminação do ar poderia dobrar no ano 2050 e causar a morte de 6,6 milhões de pessoas por ano, conforme sugere um estudo publicado nesta quarta-feira na revista “Nature”.

Jos Lelieveld, pesquisador do Instituto Max Planck de Química, na Alemanha, e sua equipe estimaram a contribuição das diferentes fontes de poluição do ar à mortalidade prematura, combinando um modelo global de química atmosférica, com dados populacionais e estatísticas de saúde.

O fato de os poluentes do ar, como o ozônio e as partículas finas de menos de 0,0025 milímetros, serem associados a doenças graves é amplamente debatido. No entanto, a quantificação dos efeitos que a poluição produz em escala mundial continua sendo um desafio para os cientistas.

A dificuldade para medir essa incidência é um problema porque a qualidade do ar não é analisada em algumas regiões e devido à toxicidade das partículas variarem conforme sua origem.

Os cientistas comprovaram com esta pesquisa que as emissões geradas em áreas urbanas, como as que provêm dos sistemas de calefação e dos fogões, são as que têm um maior impacto na mortalidade prematura no mundo todo.

Os cientistas destacaram que a qualidade do ar melhorou notavelmente nos Estados Unidos e Europa nas últimas décadas graças à legislação para preservar o meio ambiente, um avanço que teve um impacto positivo na saúde pública. Contudo, o estudo alerta que na Europa, em algumas regiões dos Estados Unidos, na Rússia e no Leste da Ásia as emissões produzidas pela agricultura geram a maior parte das partículas que poluem o ar.

Lelieveld e seus colegas afirmaram que as emissões derivadas do amoníaco e outros adubos agrícolas são a segunda maior causa global de mortes por contaminação atmosférica. Em grande parte dos Estados Unidos, além disso, as partículas que provêm do tráfego e das usinas de geração de energia são especialmente preocupantes, segundo os pesquisadores.

Em um estudo relacionado à mortalidade por poluição atmosférica que a revista “Nature Geoscience” publica hoje, pesquisadores sustentam que a redução dos incêndios na Amazônia pôde evitar entre 400 e 1.700 mortes prematuras por ano. Os estudiosos utilizaram imagens de satélite e medições no local para concluir que a concentração de partículas suspensas no ar caiu em 30% durante a temporada de seca na região.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s