UFABC desenvolve robô submarino para inspeção de navios

Protótipo respondeu adequadamente aos comandos remotos dos operadores nos modos de “voo livre” e “rastejo”

Um veículo robótico submarino para inspeção de cascos de navios foi criado na Universidade Federal do ABC (UFABC), em São Paulo.

O projeto, desenvolvido por alunos de graduação e pós-graduação em Engenharia Mecânica, foi coordenado pelo professor Juan Pablo Julca Avila, com apoio da FAPESP. .

Um protótipo do veículo – com propulsores e esteiras motorizadas, flutuadores e sensores – já foi testado com sucesso em uma piscina de mergulho e no tanque de provas do Departamento de Engenharia Naval da Universidade de São Paulo (USP).

O protótipo respondeu adequadamente aos comandos remotos dos operadores nos modos de “voo livre” e “rastejo”.

“Agora, na segunda fase da pesquisa, queremos levá-lo a Santos, para testar sua locomoção e o sistema de aderência sobre o casco de um navio em alto-mar”, disse Avila à Agência FAPESP.

O grande diferencial desse veículo em comparação com outros similares é que, além de fazer a inspeção visual do casco, com o emprego de câmera, ele também pode se deslocar sobre o casco, por meio de esteiras, segundo o pesquisador.

Desse modo, utilizando equipamento de ultrassom, é capaz de detectar eventuais fissuras ou falhas estruturais e verificar se a espessura do casco está dentro dos limites de tolerância.

A aderência do veículo ao navio é obtida por meios puramente mecânicos, com o uso de quatro propulsores dispostos verticalmente.

Girando em um sentido, as hélices dos propulsores o pressionam contra o casco; girando em sentido contrário, fazem com que se afaste.

Desse modo, foram evitadas rodas magnéticas, que limitariam sua operação apenas a cascos de aço e também o tornariam muito pesado e difícil de manobrar.

“Trata-se de um veículo robótico híbrido que combina dois modos de operação. O primeiro é o do ‘voo livre’, no qual, propulsionado por hélices, ele se movimenta debaixo d’água, dirigindo-se à região de interesse. Uma vez perto do navio, o veículo posiciona-se de forma que sua base fique em contato com o casco. Então, entra em funcionamento o segundo modo de operação, que é o de ‘rastejo’, no qual ele usa esteiras motorizadas para se deslocar”, detalhou o pesquisador.

Controle automático de aderência

Essa funcionalidade adicional faz dele um HROV (Hybrid Remotely Operated Vehicle) e não simplesmente um ROV (Remotely Operated Vehicle), como similares mais convencionais.

Montado em uma estrutura de polipropileno, o veículo funciona com energia elétrica, provida por uma fonte externa e transmitida por meio de um cabo umbilical.

“Com sua robustez estrutural e controle automático de aderência baseado na medição da pressão de contato, é capaz de operar em ambiente offshore”, afirmou Avila.

O pesquisador informou que seu grupo já entrou em contato com o órgão da UFABC encarregado dos pedidos de patentes. Graduado em Engenharia Mecânica na Universidade Nacional de Trujillo, no Peru, Juan Pablo Julca Avila fez seu mestrado e doutorado na Escola Politécnica da USP. Atualmente, é professor adjunto do grupo de Engenharia Aeroespacial da UFABC.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s